O termo “destino” é omnipresente no campo de estudos do turismo. No entanto, a sua definição e o seu uso apresentam dificuldades, uma vez que dependem de que o define e de quem o usa. O conceito de destino era inicialmente definido como um local geográfico com fronteiras geográficas precisas. Porém, a noção de destino evoluiu até se tornar um ponto de referência autodefinido pelos turistas, variando desde um local específico até um vasto continente.

De acordo com o axioma elementar de que um dado local geográfico só pode ser considerado destino turístico se de facto for visitado por turistas, a nossa abordagem de investigação adota o primado do consumidor, concetualizando destino turístico a partir das cognições dos turistas atuais e/ou potenciais (incluindo as suas perceções, imagens, associações mentais e preferências). Esta abordagem teórica está subjacente à metodologia aqui proposta para a a realização de um inquérito a nível mundial que tem como propósito avaliar os destinos turísticos favoritos de todo o mundo.

babelNa fase de recolha de dados, com o intuito de não limitar as opções dos respondentes, foi utilizada a técnica de evocação espontânea, as todas as variáveis relacionadas com “destinos de sonho” e “destinos favoritos” foram operacionalizadas através de perguntas abertas. Consequentemente, os inquiridos foram convidados a responder na sua própria língua materna. A plataforma online multilingue utilizada (plataforma “Torre de Babel”, especialmente concebida para este estudo) contém trinta idiomas nativos que cobrem cerca de 85 – 90% de toda a população mundial: Inglês, Espanhol/Castelhano, Chinês (Moderno e Simplificado), Português, Árabe, Russo, Japonês, Alemão, Indonésio, coreano, francês, Turco, Italiano, Polaco, Holandês, Húngaro, Eslovaco, Checo, Suécio, Catalão, Norueguês, Búlgaro, Grego, Lituano, Letão, Croata, Persa, Arménio e Nepalês

Além disso, com vista a personalizar o questionário ao perfil turístico dos inquiridos, as questões relacionadas com produtos turísticos também incluíam filtros para as adequar ao respetivo perfil. Assim, em função do seu perfil turístico, cada inquirido devia responder a questões relacionadas com um ou vários dos seguintes doze tipos de destinos turísticos: sol e mar, cultural, ecoturismo, saúde e bem-estar, rural, gastronomia e vinhos, turismo urbano, religioso, turismo de compras, de cruzeiros, de golfe e negócios.

De modo a poder implementar um projeto tão complexo – designado “Favourite Destinations Project” – foi criada uma rede colaborativa internacional de investigadores. Os dados desta investigação serão utilizados na criação de um Índex Global de Gestão de Destinos (GDI – Worldwide), bem como na criação de muitos indexes nacionais de destinos turísticos, um para cada país relevante.